• Home
  • III Congresso Internacional FRS

III Congresso Internacional FRS

1822,1922, 2022 e o próximo centenário:

liberdade, identidade e interculturalidade na construção da educação brasileira

22 a 24 de setembro de 2022
On-line

Datas comemorativas são sempre relevantes. Ao celebrá-las, nos damos conta do quanto somos importantes para os outros. Cerimônias evocam união, compartilhamento e restabelecem laços entre os participantes. Nesses momentos, o coletivo se unifica e, nos saudando, estreitamos nossos vínculos. Eventos históricos, tal como quaisquer narrativas, apontam para potências e riscos. Podem efetivar congraçamento e união, mas também podem levar a imposições e exclusões. De que forma 1822 pautou os discursos sobre a identidade nacional brasileira?

Cem anos depois do grito do Ipiranga, um evento na fremente São Paulo dos anos 1920 reiterou a problemática: de que forma o modernismo cultural construiu um imaginário pautado na noção de liberdade?  O Teatro Municipal de São Paulo reuniu artistas de âmbitos variados para propor uma outra forma de emancipação de um Brasil há tanto buscado. O gesto corajoso dos modernistas teria alcançado seus propósitos e instalado perspectivas para uma cultura própria e autêntica?

Hoje, no segundo centenário de criação do Estado brasileiro, podemos revigorar a memória como oportunidade para repensarmos quais foram os discursos que nos constituíram para recusarmos o que não queremos ser e construirmos o novo, o inusitado, nossa própria contribuição para uma educação de fato brasileira, na qual a interculturalidade própria da nossa identidade se apresente como o ambiente onde se tece uma proposta inusitada de liberdade, que permita vislumbrar um devir humano em permanente vivificação.

E, diante das mais profundas questões que experimentamos, aventamos, enfim: qual antropofagia pode nos unir nos próximos centenários?

Este III Congresso Internacional da Faculdade Rudolf Steiner tem por objetivo ampliar discussões, a partir de múltiplos olhares, sobre temáticas caras à história, à cultura e à educação brasileira. Estão convidados, para esta terceira edição do evento, pesquisadores, professores, alunos, profissionais de variados campos do conhecimento, que, seguramente, contribuirão com visões interdisciplinares para abordar os fenômenos propostos.

Programação

22 de setembro – quinta-feira

14h – 14h30 – Abertura: momento artístico-cultural
com Odilon Esteves

14h30 – 16h – Conferência de abertura: Estudo da História e deslocamentos do olhar
com Gabriela Pellegrino Soares

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas: Paisagens da cor – processos criativos a partir da experiência pictórica
com Maria Clarissa Mendes

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas: Rodas de verso e experiências poéticas
com Cristiane Velasco e Maria Auxiliadora Fontana Baseio

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas:  A narrativa na vida de todos nós
 
com Andreea Rubinstein e Melanie Mangels Guerra

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas: Brasil e a música afro-indígena
com Daniel Camiranga

23 de setembro – sexta-feira

14h – 14h30 – Momento artístico-cultural
com Daniella Meireles

14h30 – 16h30 – Grupos de Trabalho (GTs)

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas: Paisagens da cor – processos criativos a partir da experiência pictórica
com Maria Clarissa Mendes

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas: Rodas de verso e experiências poéticas
 com Cristiane Velasco e Maria Auxiliadora Fontana Baseio

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas:  A narrativa na vida de todos nós
 
com Andreea Rubinstein e Melanie Mangels Guerra

17h – 18h – Oficina de práticas artísticas: Brasil e a música afro-indígena
 
com Daniel Camiranga

19h-20h30 – Conferência Nacional: Educação decolonial
com Helena Singer

24 de setembro – sábado

9h30 -10h – Momento artístico-cultural: Pequeno sertão
com Mathias Zaeslin

10h – 11h30 – Mesa redonda – E os próximos 100 anos…,
com Constanza Kaliks, Ruda K. Andrade, Oscar Vilhena

11h30 – Lançamento Revista Jataí4

Oficinas

Oficina de Práticas Artísticas: Paisagens da cor – processos criativos a partir da experiência pictórica

Com Maria Clarissa Mendes
Nos dois encontros da oficina, os participantes serão instigados a realizar experimentos com as cores por meio da prática da pintura. A partir da observação das materialidades, formas e gestos realizados pelas cores, investigaremos as “pistas” que esse elemento visual nos traz para o despertar de processos criativos.

Número de vagas:25
Material: O aluno deve providenciar materiais para prática de pintura (tintas, papel e pincéis de sua preferência).

Oficina de Práticas Artísticas: Rodas de verso e experiências poéticas

Com Cristiane Velasco e Maria Auxiliadora Fontana Baseio
Nos dois encontros da oficina, os participantes serão convidados a criar versos em experiências poéticas de forma oral e escrita, inspirados em quadrinhas populares, em cantigas tradicionais do Brasil, bem como na poesia de vanguarda do início do século XX.

Número de vagas: 25
Material: O aluno deve providenciar papel sulfite, lápis preto, jornais, tesoura e cola.

Oficina de Práticas Artísticas:  A Narrativa na vida de todos nós

Com Andreea Rubinstein e Melanie Mangels Guerra
Nos dois encontros da oficina, os participantes poderão vivenciar como a vida é constituída de narrativas. Inspirados na própria biografia, cada qual poderá elaborar a sua jornada por meio de uma história autoral.

Número de vagas: 30
Material: O aluno deve providenciar papel sulfite e lápis.

Oficina de Práticas Artísticas: Brasil e a música afro-indígena

Com Daniel Camiranga
Oficina para os participantes ouvirem e perceberem a música de um ângulo não convencional, a música de dentro para fora. Vamos vivenciar como a música habita em cada um de nós, onde ela está em nosso cotidiano, em nossas vidas, onde se compõem em nós, suas partes e seus principais pilares. Os temas abordados conduzirão no fortalecimento da cultura e da identidade do povo indígena e negro em nosso país, incentivando o respeito e a valorização. Viajaremos pelo percurso musical que a África fez, nos lugares e tempos que marcou para influenciar todo um povo. O objetivo é mostrar na prática, materializar o repertório do folclore brasileiro, que é a própria música afro- indígena. Conheceremos alguns ritmos e gêneros musicais que foram trazidos ao país, como se fundiram e como se encontram hoje.  A aula trará um contato com a didática nativa do aprendizado musical dos dois povos e de muitos outros, que é a didática oral do boca a boca.

Número de vagas: 50
Material: não tem.

Inscrição para participação no Congresso

Congresso, Mesa Redonda, Oficinas e Grupos de Trabalho

O período de inscrições para conferências, mesa redonda, oficinas e como ouvintes nos GTs será do dia 01/08/2022 até o dia 15/09/2022.

Para realizar a inscrição, o participante deve preencher formulário (disponível em breve).
As inscrições serão encerradas quando o número máximo de participantes for atingido.

Grupos de Trabalho GTs

A inscrição para Grupos de Trabalho será em duas modalidades:

Como ouvinte – O período de inscrições será do dia 01/08/2022 até o dia 15/09/2022.
Para realizar a inscrição, o participante deve preencher formulário (disponível em breve).

Como participante com comunicação oral – A inscrição será realizada automaticamente mediante a submissão e o aceite do trabalho para apresentação oral.

Submissão de trabalhos para apresentação nos GTs

Os Grupos de trabalho (GTs), nesta terceira edição do Congresso da FRS, têm por objetivo o compartilhamento e a discussão de experiências investigativas nas diversas áreas do conhecimento e entre pesquisadores, discentes, docentes, tanto da comunidade interna quanto externa, permitindo trocas relevantes para o aprimoramento da pesquisa e do ensino de graduação e pós-graduação.

As propostas dos grupos de trabalho contemplam estudos emergentes nas linhas de pesquisa desenvolvidas na instituição e vinculadas ao grupo A proposta pedagógica de Rudolf Steiner: contribuições para a educação contemporânea, coordenado pelo Prof. Dr. Jonas Bach (UFTM), bem como proposições dos investigadores envolvidos com a iniciação científica na FRS e da comunidade científica externa.

Pesquisadores poderão submeter seus trabalhos para apresentação em apenas um GT, pois eles acontecerão simultaneamente. O interessado em apresentar deve elaborar um resumo, de acordo com as orientações presentes neste documento e encaminhá-lo à coordenação do GT, conforme tabela a seguir no período de 13 de junho a 01 de agosto de 2022.

GT1 – As obras de Steiner: cronologia e diálogos

Coordenação: Maria Florencia Guglielmo
Este GT pretende discutir a produção filosófica de Rudolf Steiner, com leituras organizadas a partir da sequência cronológica de suas produções; colocar em relação as referências teóricas com as quais Steiner dialoga de modo a compreender o autor em seu contexto de produção; interpretar os diferentes conceitos estabelecidos por Steiner na corrente filosófica de seu tempo; reconhecer a importância da cosmovisão goethiana na formulação de uma teoria do conhecimento; investigar diferentes possibilidades de reflexão acerca da educação a partir das proposições sobre a metodologia cognitiva tributária do pensamento de Rudolf Steiner.

GT2 – Pesquisa e(m)ação: impulsos sociais e educacionais

Coordenação: Maria Auxiliadora Fontana Baseio e Melanie Gesa Mangels Guerra
Este GT tem por objetivo acolher pesquisas que vinculem educação e meio social, podendo ou não apresentar práticas de intervenção em ambientes diversos. É intuito criar debates que apontem para os possíveis elos entre a ação social e a educação de modo geral, ampliando conhecimentos sobre o impacto que ações sociais exercem na vida das pessoas envolvidas. Aceitam-se trabalhos fundamentados pelos estudos de Rudolf Steiner ou que com eles estabeleçam diálogos. Serão acolhidas investigações que discutem currículos sociais realizados ou não em escolas Waldorf, bem como propostas de pesquisa que explorem problemáticas de memória e identidades.

GT3 – Corpo, movimento e ambiente: poesia que educa

Coordenação: Juliana Klein, Luiza Banov, Renata Fernandes
Este GT visa explorar as relações possíveis e prováveis do corpo em movimento, suas artes, natureza e ambiente. Desta maneira, receberemos pesquisas que investigam de que modo esses elementos se encadeiam e se inserem em contextos pedagógicos, ou ainda de que forma esses entrelaces revelam a sua potência pedagógica. Integram, também, este GT pesquisas que exploram a potência poética de tais experiências, bem como aquelas que investigam as relações específicas geradas em diferentes ambientes: os naturais, os urbanos e os criados artisticamente para serem fruídos com o corpo e a partir do movimento, como é o caso das instalações.

GT4 – A arte de educar no Brasil: compartilhamento de práticas e reflexões a partir da observação local

Coordenação: Gabriela Francischinelli, Glauce Kalisch e Luciana Sapia
Este GT tem o objetivo de abrir espaço para pesquisas e compartilhamentos de práticas pedagógicas como fruto de “transbordamento docente” a partir da observação fenomenológica de seu meio natural e/ou cultural, localizados no transcorrer do ciclo anual. São bem-vindos trabalhos que abarquem os diferentes ciclos escolares: educação infantil, fundamental e médio. Visamos explorar a potência artística dos educadores neste mosaico de práticas que nos contam de nós mesmos: nossa natureza, a diversidade cultural que nos permeia, memórias, ancestralidade, identidades e pertencimento.

GT5 – Educação na Primeira Infância: o desenvolvimento das linguagens na formação das crianças

Coordenação: Dayse Cristina Araújo da Cruz e Rosemeire Laviano
Este GT visa discutir as relações entre a linguagem e o desenvolvimento da criança na primeira infância. Aceitam-se trabalhos que tratam de diferentes abordagens pedagógicas e científicas, com convergências e divergências com a proposta de Rudolf Steiner para a Pedagogia Waldorf; pesquisas que exploram a relação da linguagem com o ambiente natural e social; investigações que propõem a linguagem como herança do ambiente cultural vinculada às narrativas e brincadeiras de tradição oral; estudos que articulam o desenvolvimento da linguagem e as descobertas da neurociência na relação entre movimento corpóreo e ambiente externo; trabalhos que associam a linguagem com as genuínas manifestações do brincar livre infantil.

GT6 – Iniciação Científica: múltiplas experiências e desafios da pesquisa

Coordenação: Paula Franciulli
Este GT discute experiências com o processo de pesquisa, abordando escolha de temas, construção de projetos, metodologias, procedimentos, técnicas e abordagem ética da pesquisa, além de outros temas afins com a atividade da investigação científica.

GT7 – Identidade, interculturalidade e educação brasileira

Coordenação: Marcelo Rito
Este GT abrigará relatos de pesquisas que tratam ou tangenciam temas ligados à construção da identidade nacional brasileira, ao currículo de História do Brasil no ensino básico, à contribuição do modernismo para a expressão artística brasileira, às especificidades da cultura no Brasil, às propostas educacionais voltadas à produção de uma pedagogia nacional e à atuais discussões nos âmbitos político, cultural, artístico e pedagógico que permitem sugerir caminhos para constituição de uma escolarização propriamente brasileira.

Cronograma GTs

Submissão de trabalhos: 13 de junho a 01 de agosto de 2022.
Formulário para submissão de trabalhos

Avaliação de trabalhos e envio das cartas de aceite: 02 de agosto a 22 de agosto de 2022.

Divulgação das apresentações (salas e horários) e caderno de resumos: 30 de agosto de 2022.

Os trabalhos serão apresentados pela plataforma zoom no dia 23 de setembro em sessões simultâneas, das 14h30 às 16h30.  Desse modo, não será possível submeter mais de um trabalho. Cada participante terá 20 minutos para compartilhar sua pesquisa.

Normas de Formatação de resumo 

Título: o título do resumo deverá ser em letra maiúscula, em negrito, centralizado, fonte Arial 12.

Autores: Nomes e sobrenomes dos autores: deverão ser escritos nesta ordem abaixo do título alinhados à direita.

Grupo de Trabalho: nome do GT ao qual submeterá o trabalho.

Resumo: O corpo do resumo em parágrafo único deverá ter de 250 a 300 palavras com margens justificadas, espaçamento 1,0 entrelinhas. Devem contar com introdução ao tema e problema; objetivo; metodologia; resultados (parciais ou finais).

Palavras-chave: inserir abaixo do resumo 3 a 5 palavras-chave, separadas por ponto.

Serão disponibilizados certificados de participação no evento.

Palestrantes

Daniel Camiranga

Músico formado em composição e regência pela faculdade Souza Lima em São Paulo, possui vivência de 17 anos no campo de trabalho musical, atuando como baixista, guitarrista, violonista e cantor. O compositor nascido no estado do Amazonas, desenvolve pesquisas e bebe na fonte da arte musical afro-indígena. Sua musicalidade tem pulsos dos batuques de Luiz Gonzaga, Xote, Maracatu e Baião! Do Coco do mestre Jackson do Pandeiro, Dominguinhos e Gilberto Gil. Daniel dividiu o palco com nomes importantes da música brasileira, como Arnaldo Antunes, Pato Fu, Naná Vasconcelos, Rappin’ Hood, Mart’nália, Xangai, entre outros. Suas composições nascem de uma festa de gêneros rítmicos como xote, maracatu, baião, reggae, chamamé, carimbó e lambada. Um matulão musical descendente do swing caribenho. Atualmente, Camiranga caminha dentro dos pulsos da união musical de pessoas competentes e amantes da arte. A tribo é um jeito nativo de mencionar o sentido da palavra família. E é com A TRIBO que o músico de 29 anos desenvolve seu trabalho autoral com um pé no oriente e outro no ocidente. Unindo forças para adentrar dentro do mercado musical, com o propósito de firmar o que já foi plantado. E, por meio do som, mostrar a força dos batuques afros e indígenas que existem no Brasil. O Brasil da poesia da floresta também existe. E está sendo muito bem transmitido pela tribo, família que crê no valor da poesia e na importância da arte.

Gabriela Pellegrino Soares

Professora Livre-Docente de História da América Independente da Universidade de São Paulo, pesquisadora do CNPq e cocoordenadora do projeto de cooperação Brasil-França Transatlantic Cultures, https://www.transatlantic-cultures.org/. É pesquisadora associada da Biblioteca Brasiliana da USP e autora, entre outros, com Maria Ligia Prado, de História da América Latina (Editora Contexto, 2014). Com Patrícia Raffaini, é co-organizadora do livro Livros infantis velhos e esquecidos, a ser publicado pela BBM/USP em 2022.  Coordenou o curso de História da USP entre 2017 e 2021 e,  desde 2021, integra a Coordenação da área de Ciências Humanas e Sociais na FAPESP. Foi aluna da EWRS de 1980 a 1989 e, em 1988, intercambista na Escola Waldorf Uhlandshöhe de Stuttgart. Em 1994, tornou- se professora de História do Colégio Waldorf Micael e participou da criação do Ensino Médio. Como pesquisadora convidada e conferencista, visitou Universidades da América Latina, dos Estados Unidos, da Europa e da China.

Helena Singer

Socióloga, com mestrado e doutorado pela Universidade de São Paulo, fez pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Vice-presidente da Ashoka América Latina e coordenadora do Movimento de Inovação na Educação. É autora de República de Crianças: sobre experiências escolares de resistência (Mercado de Letras, 2010), organizadora da coleção Territórios Educativos: experiências em diálogo com o Bairro-escola (Moderna, 2014), entre outros livros e artigos na área de Sociologia, com ênfase em educação, juventudes, inovação social e direitos humanos.

Odilon Esteves

Ator. Formou-se no Curso Técnico de Teatro do Palácio das Artes (MG) e na licenciatura em teatro pela UFMG. No teatro participou de diversas peças criadas em processos colaborativos ou a partir de textos de Nelson Rodrigues, Clarice Lispector, Caio Fernando Abreu, Dostoiévski, André Sant’Anna, Manoel de Barros e Julio Cortázar. Com incursões pelo cinema e TV, trabalhou em longas-metragens como “Batismo de Sangue”, “Cada dia uma vida inteira”, “Família”, “A hora e a vez de Augusto Matraga”, “Deserto Azul”, “O senhor do labirinto”, “Bento”, na minissérie “Queridos Amigos” da TV Globo, no docudrama “Sertão: Veredas”, produzido pela Bossa Nova Films e nas séries “Sob Pressão” e “Hit Parade”. Mantém, na internet, o projeto de difusão literária “Espalhemos Poesia”, com vídeos no YouTube, Instagram e Facebook.

Comissão organizadora do Congresso

Melanie Gesa Mangels Guerra (Diretora)
Maria do Carmo Lizarzaburu Abi-Sâmara (Coordenadora da pós-graduação)
Marcelo Rito (Coordenador da graduação)
Maria Auxiliadora Fontana Baseio (Coordenadora de Pesquisa)

Comissão Científica

Allan Gonçalves da Silva
Cristina Mansberger
Cristina Velasquez
Daniela Mayle Meirelles
Daisy Cristina Araújo da Cruz
João Moreno Sant’Ana
Jonas Bach Junior
Juliana Klein
Lourdes Ana Pereira Silva
Luiza Romani Ferreira Banov
Maria Clarissa Spindola Mendes
Maria Florencia Guglielmo
Mariana Bugano
Paula Franciulli
Renata Fernandes
Rosemeire Laviano
Tarita de Souza

Equipe Artística

Maria Clarissa Spindola Mendes
Marina Santini

Equipe de Comunicação

Madara Buschinelli
Tawany Feitosa Silva

Equipe Técnica

Carolini Crespilho dos Santos
Geislon Lucas Dervage
Helena Wahl
Samara Lopes de Brito
Vanessa Valéria Barbosa Mendes